fbpx

Você sabe quando procurar um mastologista?

Existem diversas especialidades médicas — os cardiologistas cuidam do coração, os oftalmologistas dos olhos, os neurologistas do cérebro e assim por diante. Há também o médico mastologista, que tem como objetivo o cuidado e o estudo das mamas.

Durante a vida, é indicado que sejam feitas visitas ao médico anualmente para averiguar se a saúde continua em dia. No caso do mastologista, as consultas periódicas devem começar para as mulheres a partir dos 35 anos, mas também podem ocorrer em qualquer outro período. O mesmo vale para os homens.

No entanto, as pessoas muitas vezes não sabem para que serve essa especialização ou quando é recomendado procurar um mastologista. Pensando nisso, criamos este post para explicar mais sobre o que é um mastologista. Confira!

O que é a mastologia?

A mastologia é a especialidade médica dedicada aos cuidados das glândulas mamárias. O mastologista é, então, o médico responsável pelo estudo, diagnóstico, tratamento e reabilitação de todas as afecções nas mamas. Em caso de qualquer suspeita, é ele o especialista que deve ser procurado.

As glândulas mamárias são uma das partes do corpo mais afetadas por células cancerígenas. Por conta disso, é frequente encontrar especialistas em clínicas públicas e particulares. Pelo fato do câncer de mama ser uma doença mais comum em mulheres, é normal que elas tenham mais contato com essa especialidade.

É recomendado que seja feito mensalmente um autoexame. Para tanto, a mulher deve levantar uma mão e, com a outra, tatear os seios à procura de nódulos, massas ou qualquer irregularidade.

Caso sinta dificuldade de deslizar os dedos pelos seios, esse exame pode ser realizado durante o banho, quando estiver com o corpo ensaboado. O autoexame deve ser feito com qualquer idade a partir da primeira menstruação.

É comum, no entanto, que os homens pensem que não estão sujeitos ao câncer de mama, já que a condição afeta principalmente as mulheres. É fato que o número de ocorrências é menor na população masculina, mas a possibilidade existe.

Como nas mulheres, são costumeiras entre os homens as infecções e os cistos nas mamas. Por isso, em caso de qualquer alteração, o recomendado é procurar um médico mastologista.

Quais são os exames e procedimentos?

Como explicamos acima, o autoexame é o principal aliado contra o câncer de mama e outras doenças e infecções. Contudo, a pessoa nem sempre consegue encontrar o problema durante a sua realização.

Acima dos 35 anos, é recomendado dar início ao exame preventivo anual. Nele, o especialista realiza diversas análises e procedimentos para atestar a saúde das mamas. Alguns dos exames são:

  • biópsias e punções mamárias;
  • mamografias;
  • ultrassonografia;
  • ressonância magnética das mamas.

Lembrando que nem todos os exames são obrigatórios. As análises serão requisitadas por especialistas durante a consulta.

Quando devo procurar um médico mastologista?

Como explicado acima, é recomendado dar início às consultas anuais ao mastologista a partir dos 35 anos. Todavia, algumas situações podem acabar resultando em uma visita. Mulheres que estejam entre o grupo de risco (acima dos 40 anos, com histórico de câncer na família e menstruação precoce ou tardia) devem começar o acompanhamento mais cedo — e, muitas vezes, mais de uma vez ao ano.

Diferentemente do que muitas pessoas pensam, a visita ao mastologista não ajuda a prevenir somente o câncer. Existem outras doenças que podem ser evitadas, como:

  • nódulos;
  • assimetrias;
  • mastites (inflamação causada por bactérias que podem aparecer durante a amamentação);
  • ginecomastias (crescimento anormal das mamas masculinas).

Existem situações nas quais o ideal é procurar um especialista para que possam ser realizados os exames e, assim, chegar em um diagnóstico. São elas:

  • quando sentir a presença de nódulos ou massas durante o autoexame;
  • se o diagnóstico for positivo para câncer de mama — nesse caso, o ideal é procurar um mastologista para que possa ser formada uma linha de tratamento;
  • em casos de ocorrência de câncer de mama em familiares — o ideal é fazer acompanhamentos com o médico mastologista com frequência desde cedo;
  • quando a pessoa está acima dos 35 anos — é recomendada a visita anual ao especialista;
  • no caso de tratamento de doenças mamárias.

Quando no autoexame ou durante o dia forem percebidas muita sensibilidade e dores nas mamas, o especialista deve ser consultado. Em casos de cirurgias plásticas nos seios — como redução ou reconstrução —, o ideal é que a intervenção seja feita com um cirurgião plástico acompanhado de um mastologista.

Como é a consulta?

A consulta com o mastologista começa como qualquer outra. Em um primeiro instante, ocorre uma conversa para que o especialista possa conhecer melhor o paciente. Você deverá contar sobre seus hábitos, histórico de saúde (inclusive familiar) e possíveis queixas. Funcionando como uma pequena entrevista, esse momento é chamado de anamnese.

O ideal é que o paciente tire logo todas as dúvidas com o especialista e informe o que achar importante, especialmente se a consulta for por causa de alguma anormalidade encontrada nas mamas.

Logo após, é realizado um exame físico nas mamas e, caso sinta necessidade, o médico solicitará alguns exames como os que apresentamos acima. Como foi explicado, essas análises servem para averiguar se existe algum problema que não foi detectado previamente.

Quais os exames solicitados pelo mastologista?

O exame mais comum pedido pelo mastologista é a mamografia, seguido pelo ultrassom e pela ressonância magnética. Caso alguma dessas análises apresente qualquer alteração, uma biópsia ou punção também poderão ser solicitadas. Abaixo explicamos um pouco mais sobre cada um desses procedimentos.

Mamografia

A mamografia é um exame de imagem não invasivo — nele são aplicadas a mesma quantidade de radiação de um raio-x, mas são projetados para levarem em consideração o formato das mamas. As imagens são produzidas a partir de duas placas que pressionam os seios por poucos segundos e as registram em uma chapa. O resultado é similar ao raio-x tradicional. Não é necessário nenhum preparo para a realização desse exame.

Após a realização da mamografia, o médico mastologista é o responsável por analisar seus resultados e solicitar mais exames caso seja necessário. É recomendável que a análise seja feita anualmente a partir dos 40 anos, mas o indicado é que seja discutido com o especialista.

Ultrassom

O ultrassom de mama é considerado um complemento à mamografia, ele auxilia na detecção e acompanhamento de alterações mamárias. Nesse exame, o aparelho funciona a partir de ondas sonoras de alta frequência, elas proporcionam imagens das estruturas dos órgãos internos do corpo, nesse caso das mamas.

Secreções nos mamilos, cistos, nódulos, espessamento do tecido mamário são algumas das muitas alterações visíveis pelo exame. Para mulheres que não têm histórico de doenças mamárias, o exame é recomendado uma vez ao ano a partir dos 25. Para quem tem histórico familiar ou pessoal, esses números podem ser alterados.

Ressonância magnética

A ressonância magnética é considerada uma análise de maior sensibilidade, ou seja, ela consegue detectar câncer nas mamas que o ultrassom e mamografia não têm a capacidade de diagnosticar. Mas, por conta de seu alto custo e baixa disponibilidade, ela não é solicitada com frequência. Existem três casos principais em que o exame é indicado:

  • acompanhamento de mulheres com alto risco de desenvolver câncer de mama;
  • estadiamento pré-operatório — é solicitado a partir do planejamento de cirurgias;
  • avaliação da mamografia problemática — acontece quando a mamografia não esclarece todos os problemas e restam dúvidas.

Sendo assim, a ressonância deve ser solicitada em casos pontuais onde as análises anteriores não forem suficientes para esclarecer todas as disfunções e restarem dúvidas quanto a saúde das mamas.

Biópsia ou punção

A biópsia ou punção consiste na remoção de uma pequena parte do tecido em questão para avaliação anatomopatológica da presença de câncer. A amostra removida durante o exame é analisada por um patologista e, caso haja células de câncer presentes, ele determinará qual é o tipo.

Existem vários tipos de biópsia, como por agulha grossa ou agulha fina, cada uma com seus prós e contras. A escolha do tipo de biópsia realizado depende da situação específica de cada paciente. Alguns dos fatores que podem ser levados em consideração pelo médico são o tamanho, a localização, o tipo de lesão, a quantidade de tumores e preferências pessoais dos pacientes.

É a partir dos resultados desses exames que o médico chega a um diagnóstico e pode começar um tratamento. Como comentado acima, as análises podem ser solicitadas de maneira individual ou em conjunto para que haja um melhor resultado e entendimento do problema.

Os tratamentos mais comuns para nódulos benignos são o acompanhamento e, dependendo do tamanho, a remoção cirúrgica. Já no caso do câncer de mama, podem ser recomendadas quimioterapia, radioterapia e remoção de uma mama ou das duas. Durante todo o momento, há o acompanhamento do mastologista.

Como no caso da maioria das doenças, a prevenção pode ser a melhor solução para os problemas nas glândulas mamárias. Por isso, comece o autoexame após a primeira menstruação e procure um médico mastologista anualmente após os 35 anos para os exames preventivos.

E então, gostou de saber mais sobre o que é e quando procurar um médico mastologista? Acha que as informações do post foram úteis?

Fonte: https://blog.partmedsaude.com.br/voce-sabe-quando-procurar-um-mastologista/

Este site usa cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência no nosso site.